segunda-feira, 21 de maio de 2018

FLÚOR - Programa Nacional De Promoção Da Saúde Oral


FLÚOR - Programa Nacional De Promoção Da Saúde Oral
Etimologicamente, a palavra flúor é de origem latina “fluo” que significa fluidez. É encontrado na Natureza e está amplamente presente na superfície da Terra, aumentando a sua concentração consoante a profundidade dos solos. Na água, apresenta-se em quantidades que variam de mínimas (lagos, rios e poços) a altíssimas (mar). Já no ar variam consoante o local desde o campo a zonas industrializadas. Tudo isto implica que nos alimentos, a concentração de flúor também varia largamente. No entanto, a ingestão de flúor proveniente de alimentos não possui grande significado clínico, pois apenas 1/3 desse, se apresenta bio disponível.
As propriedades anticariogênicas (anti cáries) do flúor foram descobertas devido a estudos sobre alterações na pigmentação do esmalte dos dentes, no início do século 20, numa população que consumia água contendo alta quantidade de flúor. Várias investigações posteriores, levaram a concluir já na década de 30, que existe relação entre a concentração de flúor na água potável, o predomínio da fluorose dentária e a baixa predominância de cáries dentárias. A partir daí, o elemento flúor foi estudado até se chegar a uma dosagem capaz de controlar e prevenir cáries SEM o risco de se provocar toxicidade.

ACTUALMENTE O USO DE FLÚOR É UM IMPORTANTE ALIADO NA REDUÇÃO DA PREVALÊNCIA E GRAVIDADE DA CÁRIE DENTÁRIA E O SEU USO É RACIONAL, EFICIENTE E SEGURO.



Sabe-se igualmente que o benefício do seu uso resulta essencialmente da aplicação tópica (a substância é aplicada directamente onde se deseja – pastas dentífricas e elixires) e não do seu uso sistémico (ingerido).
O dentífrico fluoretado constitui a opção consensual pela comunidade científica para a obtenção do efeito tópico, assim como a melhor opção olhando ao factor preço-qualidade. A protecção do dente pela acção tópica do fluor fica a dever-se à inibição do processo de desmineralização, à potenciação do processo de remineralização e a inibição da acção da placa bacteriana.
A higiene oral com uso de pasta deve iniciar-se logo após a erupção do primeiro dente, utilizando uma pequena quantidade de dentífrico fluoretado (1000-1500 ppm).
A partir dos 3 anos deve-se fazer a escovagem dos dentes com um dentífrico fluoretado de 1000-1500 ppm, duas vezes por dia, sendo uma delas obrigatoriamente antes de deitar. A quantidade a utilizar deve ser semelhante (ou inferior) ao tamanho da unha do dedo mindinho da mão da criança.
As soluções para bochechos (recomendadas a partir dos 6 anos de idade) têm sido utilizadas em programas escolares de prevenção da cárie dentária, em inúmeros países, incluindo Portugal. Nas escolas do concelho de Ferreira do Zêzere, os bochechos são planeados/realizados quinzenalmente, com uma solução de fluoreto de sódio de concentração apropriada ao bochecho quinzenal. Não confundir com as soluções fluoretadas de uso em casa, pois essas possuem habitualmente uma concentração inferior de fluoreto de sódio podendo assim ser utilizadas diariamente. O seu uso pode ser concomitante com o uso da pasta dentífrica.
Concluindo, na sua casa contribua activamente na promoção da saúde oral dos seus filhos… Se se questiona de que forma?…
Promova a realização da escovagem dos dentes!
Incentive-os ao bochecho fluoretado quinzenalmente na escola!
E seja um exemplo a seguir…
 





Enfª Sandra Costa (Enfermeira Especialista em Saúde Infantil e Pediátrica)