domingo, 5 de agosto de 2012

Domingo

No Evangelho de hoje, Domingo, o dia do Senhor (Jo. 6, 24-35), Jesus interpela-nos com uma forte exortação: «Não trabalheis pelo alimento que perece, trabalhai pelo alimento que dura para a vida eterna» (Jo. 6, 27). Esse alimento, é Ele mesmo que no-lo dá e nós seremos capazes de o alcançar se acreditarmos n’Aquele que o Pai nos enviou (Jo. 6, 29).
Na viagem das nossas vidas, muitas vezes permanecem como prioritárias as urgências do quotidiano, protelando para depois as necessidades essenciais, porém quase sempre o rótulo incondicional impressionante de “urgente”.
Quantas vezes não ficam para trás e submersas no nevoeiro da indiferença, deveres e obrigações essenciais à nossa coerência, à nossa missão ou até mesmo importantes para aqueles que mais amamos. Não raramente, fica entre estes adiamentos a nossa relação com Deus. Preenche-nos somente o efémero e protelamos ou secundarizamos tudo o que nos liga aos valores eternos.
Senhor,
Tu és o manancial donde brota a vida. Ajuda-me a voltar sempre a Ti, porque só Tu és o alimento que não perece. Creio, Senhor, que és o “Pão partido para o mundo novo”, quero ficar contigo!


Pe. Senra Coelho (in: www.rr.sapo.pt)