quinta-feira, 8 de março de 2012

Às mulheres de Ferreira do Zêzere

Todos te olham,
te admiram
uns pela beleza exterior,
outros pela interior.

Esta é infindável,
pelo encanto que transmites,
pelo amor que partilhas,
sem nada pedir.
Dar, dar e dar,
que te cria desilusões,
angústias.

Mulher ternurenta,
quase desistes,
pelos teus sonhos;
brotas lágrimas
como se fosse noite.

Atrás de cada noite,
virá um novo dia
e numa dessas manhãs,
terás um sol nascente,
com tanta luz,
que encontrarás o caminho
que tanto procuras.

Caminho muito iluminado,
pelo teu coração,
coração de mulher.


José Manuel Brazão